Quarta-Feira, 18 de Setembro de 2019, 08h:38

Tamanho do texto A - A+

Sachetti avisa que está no páreo e quer o apoio de Blairo em virtual disputa

Por: PAULO COELHO

Se houver eleição suplementar ao Senado em Mato Grosso, quem também está dentro do páreo é o produtor rural, ex-deputado federal e ex-prefeito de Rondonópolis, Adilton Sachetti (PRB). Ele é um dos candidatos derrotados na disputa de 2018 e ficou em 4º lugar naquele pleito, com 333.082 votos, ou 12%  dos votos válidos.

“Eu estou preparado para essa disputa. Conheço nosso Estado como poucas pessoas conhecem, conheço a economia do Estado, conheço gestão pública, já fui prefeito, fui deputado federal, sei qual o trânsito de Brasília, portanto tenho conhecimento de causa”, disse Sachetti, em entrevista ao HNT/HiperNotícias nesta quarta-feira (18), acrescentando que de todos os possíveis nomes já ventilados para a eventual eleição suplementar, ”poucos  têm esse preparo que eu tenho”.

adilton e blairo

 Adilton e Maggi - amigos e aliados

Para Adlton Sachetti o formato de uma eleição suplementar para senador é sui generis (algo único). “Não se sabe se tem coligação ou não, ou se é só apoio, enfim, não sei como isso funcionaria”, observou, destacando que o mais importante numa candidatura como essa, é a construção de apoios.

“Tem que fazer gestão para ter apoios de pessoas que tenham influência política à sua candidatura”, disse, sem deixar de fora o mais importante de todos: “O apoio popular também, obviamente”.

COMPADRE BLAIRO

Adilton Sachetti  avisa que nos próximos dias terá um encontro com o ex-ministro Blairo Maggi(PP), que está em viagem aos Estados Unidos.

“Eu vou sentar com o Blairo na semana que vem e conversar sobre isso. Se ele for candidato, eu não serei. Se ele é candidato, eu tô fora. Blairo é meu irmão e eu vou fazer disputa dentro de casa”, avisou.

Porém, Blairo, que é ex-ministro e que também foi senador e governador de Mato Grosso, anunciou o fim de sua trajetória com mandatos políticos e que não mais se submeteria a uma disputa eletiva.

Em 2018, quando Sachetti ficou na 4ª colocação, o então ministro da Agricultura, Blairo Maggi se isentou e cumpriu promessa de não se envolver diretamente com nenhuma candidatura, uma vez que seu partido, o PP, havia fechado acordo com grupo político do então candidato ao governo Wellinton Fagundes (PL).

SELMA ARRUDA

Selma Arruda teve o mandato cassado em abril pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT). Na ocasião, ela foi cassada por 7 votos a 0, por prática de caixa dois e abuso de poder econômico, além de propaganda fora do período legal, durante a pré-campanha. O processo agora trâmita no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Na última semana, a procuradora-geral eleitoral Raquel Dodge emitiu um parecer ao TSE se manifestando favoravelmente à cassação de Selma e à realização de nova eleição para o Senado em Mato Grosso. Como resposta, a senadora afirmou que estaria sendo perseguida pela procuradoria geral.

Para Sachetti, o deputado federal e presidente do PSL, Nelson Barbudo, tem legitimidade para também disputar a eleição suplementar. No entanto, faz uma avaliação política das consequências de a senadora deixar o partido do presidente Jair Bolsonaro, e o quanto isso pode prejudicar a virtual candidatura de Barbudo.

Sachetii, acredita que Selma tem um eleiutorado "apaixonado" por ela, e que deve acompanhar a migração dela para o PODEMOS. Selma deixou o PSL fazendo duras críticas à legenda e até ao filho do presidente, Flávio Bolsonaro.

“Mas ela está indo para outro partido. Se ela ficasse no PSL, para o Nelson seria melhor. Agora ela saindo, eu acho que o Nelson perde um pouco de força porque os apaixonados no PSL e na Selma, se o Barbudo fosse candidato, iriam apoiá-lo. Agora, a Selma indo para um outro partido, pelo menos uma parte desses apoios, ele perde com certeza”, opinou, salientando que “os apaixonados por Selma, dificilmente votariam em um candidato do PSL”.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1