Segunda-Feira, 28 de Janeiro de 2019, 14h:19

Tamanho do texto A - A+

Diante de rumores de rompimento, Furnas descarta riscos em barragem do Manso

Por: LEONARDO HEITOR

Alvo de rumores nos últimos dias, após a tragédia que atingiu a barragem de Brumadinho, a represa da Usina Hidrelétrica do Manso está livre de qualquer risco. É o que diz Furnas Centrais Elétricas, que administra o empreendimento.

 

Reprodução

manso.jpg

 

Segundo Furnas, a Usina de Manso está em plenas condições de operar com segurança, não existindo qualquer anormalidade que comprometa sua integridade ou funcionalidade. A empresa apontou que a hidrelétrica é inspecionada com frequência por órgãos reguladores.

 

“A usina é regularmente inspecionada pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, e seu protocolo de segurança conta com instrumentação instalada, composta por 77 equipamentos de verificação do desempenho das estruturas”, aponta Furnas.

 

A Usina de Manso está localizada próximo ao Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, no Rio Manso, principal afluente do rio Cuiabá, em Chapada dos Guimarães. Com potência instalada de 210 MegaWatts, a usina foi projetada para atender ao conceito de usos múltiplos do reservatório e da água. Sua barragem possui comprimento total de 3.680 metros.

 

Entre os benefícios do Aproveitamento Múltiplo de Manso, destaca-se o de regularizar os ciclos de cheias e secas do rio Cuiabá, contribuindo para reduzir os danos socioeconômicos. Seu reservatório atinge os municípios de Chapada dos Guimarães e Nova Brasilândia.

 

Correntes em redes sociais

 

Após o desastre em Brumadinho, circularam nas redes sociais uma matéria publicada pelo jornal A Gazeta, em março de 2006. A notícia apontava que, por conta das cheias na região do reservatório, cinco cidades estariam em alerta para a possibilidade de transbordamento do lago.

 

Na ocasião, uma das comportas da Usina de Manso foi aberta e o nível do Rio Cuiabá chegou a subir 13 centímetros, em Rosário Oeste. Uma das principais funções da hidrelétrica é, justamente, o controle das cheias na região da Baixada Cuiabana, evitando o alagamento das cidades localizadas próximas ao Rio Cuiabá. A região onde fica o lago da barragem também é uma das principais atrações turísticas de Mato Grosso.

 

Outras barragens

 

Mato Grosso possui 30 barragens de mineração e uma delas está classificada como de alto risco na Agência Nacional de Mineração (ANM). Trata-se da Barragem Ismael, em Poconé, que possui dano potencial associado médio, segundo o relatório publicado em janeiro de 2019 e é de responsabilidade de Ismael Ledovino de Arruda. A maior mina em volume pertence a Maney Mineração, que pertence ao governador Mauro Mendes (DEM). A mina é classificada como de baixo risco na ANM, mas possui danos potenciais associados altos. 

Avalie esta matéria: Gostei +16 | Não gostei - 4