Segunda-Feira, 28 de Janeiro de 2019, 10h:50

Tamanho do texto A - A+

Metade das barragens de MT apresenta risco médio ou alto; uma delas é de Mendes

Por: LEONARDO HEITOR

Mato Grosso possui 30 barragens de mineração e uma delas está classificada como de alto risco na Agência Nacional de Mineração (ANM). Trata-se da Barragem Ismael, em Poconé, que possui dano potencial associado médio, segundo o relatório publicado em janeiro de 2019 e é de responsabilidade de Ismael Ledovino de Arruda. A maior mina em volume pertence a Maney Mineração, que pertence ao governador Mauro Mendes (DEM). A mina é classificada como de baixo risco na ANM, mas possui danos potenciais associados altos. 

 

Reprodução

Maney Mineração

 Barragem da Maney Mineração é a maior de MT, em volume

A barragem de Poconé explora areia, tem 14 metros de altura e volume de 450 mil metros cúbicos. Segundo a ANM, ela é a única do estado classificada como de alto risco. No entanto, de acordo com a Agência, outras 14 barragens de Mato Grosso apresentam risco médio na escala da entidade.

 

Segundo o relatório da ANM, as barragens que possuem esta classificação estão localizadas em Poconé, Nossa Senhora de Livramento e Rio Branco. Próximas a elas, são extraídas rochas auríferas, minério de ouro primário, areia, além de aluvião aurífero.

 

Cinco destas barragens possuem danos potenciais associados altos. Elas estão localizadas em Pontes e Lacerda, Cuiabá, Vila Bela da Santíssima Trindade, Rio Branco e Nova Xavantina. Na região, são exploradas rochas auríferas, minério de ouro primário, além de minério de zinco.

 

A maior delas é a Casa de Pedra, pertencente a Maney Mineração Casa de Pedra, que explora minério de ouro primário. A barragem tem oito metros de altura e um volume de 15 milhões de metros cúbicos. A mina é classificada como de baixo risco na ANM, mas possui danos potenciais associados altos.

 

A mina, inclusive, é alvo de uma ação judicial envolvendo o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes. Ele seria sócio da Mineração Casa de Pedra Ltda., empresa que comprou a mina em um leilão, em 2011, que foi anulado pela Justiça. No entanto, com a anulação, a mina passou a ser de propriedade da Minérios Salomão, também de propriedade de Mendes e seu sócio, Valdiney Souza.

 

Barragem de Manso

 

Alvo de rumores nos últimos dias, após a tragédia que atingiu a barragem de Brumadinho, a represa da Usina Hidrelétrica do Manso está livre de qualquer risco. Segundo Furnas, a Usina de Manso está em plenas condições de operar com segurança, não existindo qualquer anormalidade que comprometa sua integridade ou funcionalidade. A empresa apontou que a hidrelétrica é inspecionada com frequência por órgãos reguladores.