Segunda-Feira, 04 de Julho de 2016, 08h:22

Tamanho do texto A - A+

Quem tem marcapasso pode usar celular?

É fundamental avisar a familiares e profissionais de saúde sobre o marcapasso

Por: RONALDO PEIXOTO DE MELLO

 

Assessoria

RONALDO PEIXOTO DE MELLO

 

Muitos pacientes me perguntam se após a implantação do marcapasso vai poder usar aparelho celular.

 

O marcapasso é um aparelho que é implantado em portadores de diversas doenças do coração e tem a função de observar e corrigir os defeitos do ritmo cardíaco. Sendo para aumentar ou diminuir o ritmo do coração. A partir do momento que é necessário sua implantação, pelo menos no primeiro mês não é aconselhável. Mas após o retorno ao cardiologista para verificar o funcionamento do aparelho e a bateria poderá ser liberado pelo médico o uso,  desde que o paciente tome certos cuidados que deverão ser observados diariamente por toda a vida.

 

Vamos lá. O primeiro deles é utilizar o celular do ouvido do lado contrário ao marcapasso, evitando colocar o telefone sobre a pele que recobre o aparelho no peito. A distância deve ser de pelo menos 15 a 30cm dependendo da potencia do aparelho. Isso serve também para aparelhos eletrônicos de música.

 

Ao viajar avisar no aeroporto e bancos sobre o marcapasso, pois pode ser detectado no raio-X mas não interfere em seu funcionamento. No caso dos bancos ele é detectado pela porta giratória. Assim tem como optar pela revista manual.

 

Outros cuidados é prudente manter-se distante pelo menos 2 metros do micro-ondas durante seu funcionamento apesar destes aparelhos em uso atualmente apresentarem baixa probabilidade de penetração no organismo e consequente remota interferencia no funcionamento do marcapasso. Entretanto, aparelhos com mau funcionamento e aterramento podem causar prejuízos na segurança.

 

Por outro lado, atividades que possam causas choques físicos e pancadas sobre o aparelho devem ser evitadas.

 

Com esses cuidados é possível que o paciente tenha vida normal inclusive fazer atividades físicas não competitivas e de baixa intensidade, devendo ser evitado pratica esportiva de alta intensidade e as que envolvam contato físico e impacto. Por outro lado, atividades recreativas devem ser encorajadas.

 

É importante lembrar que alguns exames  médicos são  proibidos como  no caso da ressonância magnética. Entratanto, uma evolução da tecnologia de marcapasso tem desenvolvido aparelhos que permitem a realização desse procedimento desde que com alguns cuidados. Nesse caso, o médico responsavel deve ser sempre consultado.

 

Por outro lado, procedimentos cirurgicos como ablação por radiofrequência, radioterapia, litotripsia e mapeamento eletro-anatômico, exigem cuidados na preparação e realizaçao do procedimento, visto que podem causar interferência no funcionamento do aparelho. Assim, a utilização de métodos de tratamento cirurgico como a utilização de eletrocautério ou em caso de aplicação de energia em caso de urgencia ou de forma eletiva com a utilização de desfibrilador, devem seguir orientações específicas.

 

Neste caso,  é fundamental avisar a familiares e profissionais de saúde sobre o marcapasso, para que o aparelho seja desativado antes de qualquer procedimento que possa causar interferência ou mesmo danificar de forma irreversível o aparelho.

 

De todas as dicas a mais importante é que o paciente visite seu cardiologista regularmente para verificar as condições e os parametros de funcionamento do aparelho.

 

*RONALDO PEIXOTO DE MELLO é cardiologista, especialista em arritmia cardíaca e Eletrofisiologista premiado por melhor publicação da Cardiologia pela Sociedade IberoAmericana de Cardiologista em 2013.

Avalie esta matéria: Gostei +40 | Não gostei - 5