Quinta-Feira, 05 de Setembro de 2019, 17h:08

Tamanho do texto A - A+

Pinheiro cobra Mendes e diz que não abre mão de R$ 60 milhões da Saúde

Por: ANA ADÉLIA JÁCOMO E FERNANDA ESCOUTO

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), afirmou nesta quinta-feira (5) que espera ainda esta semana um posicionamento do governador Mauro Mendes (DEM) sobre uma dívida que o Estado teria com a Saúde Pública na capital, na ordem de R$ 60 milhões.

Alair Ribeiro / MidiaNews

ministro da educação abraham weintraub

 

De acordo com ele, na gestão do ex-governador Pedro Taques (PSDB) os repasses também atrasavam, mas existia constantes diálogos entre os chefes do Executivo, o que não ocorreria com Mendes.

“No período Pedro Taques estávamos constantemente dialogando. Também ficava sem repassar, mas negociávamos e havia os repasses. Atrasava, mas havia um contato grande, uma ponte construída. Não deixava a sobrecarga da saúde pública do Estado nas costas de Cuiabá. Hoje não tenho nenhuma perspectiva, não vejo nenhuma expectativa e não posso deixar de cobrar”, disse o prefeito.

As declarações foram dadas no Centro de Eventos do Pantanal, durante visita do ministro da Educação Abraham Weintraub a Cuiabá nesta quinta. “Esse recurso pertence a Cuiabá e eu não abro mão de nada que pertence a Cuiabá”, disparou ele.

Emanuel disse que já conversou com o governador sobre o montante e chegou, inclusive, a propor um parcelamento. A ideia é pagar os R$ 60 milhões em 20 parcelas de R$ 3 milhões, além dos repasses regulares que são constitucionais.

“Essa foi a proposta que eu fiz ao governador, além dos repasses regulares. Cuiabá precisa de uma resposta, e eu notifiquei o Estado e a notificação vence hoje. Estamos esperando um posicionamento do Governo do Estado, porque esse recurso pertence a população cuiabana’, completou ele.

"Prefeito e governador não precisam ser amigos. Não precisam sentar e almoçar juntos, tomar cerveja ou conviver diuturnamente para trazer benefícios à Capital, mas é necessário que ambos tenham convivência institucional, republicana e de alto nível".

'MUI AMIGOS"

Sem papas na língua, Emanuel foi enfático ao afirmar que, apesar de ele ter feito diversas afirmações de que pretende uma reaproximação, todas teriam sido ignoradas pelo governador.

“Prefeito e governador não precisam ser amigos. Não precisam sentar e almoçar juntos, tomar cerveja ou conviver diuturnamente para trazer benefícios à Capital, mas é necessário que ambos tenham convivência institucional, republicana e de alto nível. Estão, está havendo um pouco de dificuldade, não é nada crônico, mas não quero que Cuiabá seja prejudicada”.

Emanuel e Mauro Mendes têm se estranhado constantemente. Vale lembrar que, enquanto deputado estadual, Emanuel foi de coordenador da campanha vitoriosa de Mauro Mendes a prefeito de Cuiabá, em 2012. No entanto, a crise entre eles se instaurou após a investida do Estado na tomada da administração da Santa Casa.

“Eu já lancei o Emanuel paz e amor e estou nele ainda, pronto pra conversar, pra dialogar. Pronto pra sentar na mesa para discutir obras, ações e projetos para Cuiabá, com todo respeito e harmonia. Agora, precisa ter bilateral nessa vontade. Eu ainda tenho esperanças que seja. Fiz tudo. Já tentei, procurei, já fui em audiência, falei via imprensa, mas ainda estou com esperança de que as coisas evoluam. Ele foi prefeito e vamos chegar a um denominador comum por Cuiabá”, finalizou ele.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei