Quarta-Feira, 28 de Junho de 2017, 19h:29

Tamanho do texto A - A+

Governo e sindicatos selam acordo sobre RGA; projeto deve ser votado na próxima semana

Por: RENAN MARCEL

Depois de um duro enfrentamento no ano passado, a negociação referente à Revisão Geral Anual (RGA) de 2017 tem tudo para terminar em um acordo que, embora não seja o ideal, satisfaz tanto o governo de Mato Grosso quanto as lideranças dos sindicatos dos servidores públicos do estado.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

pedro taques

 Com diálogo aberto, o governo está confiante com proposta e os sindicalistas mais compreensíveis que em 2016.

Em reunião na tarde desta quarta-feira (28), o governador Pedro Taques (PSDB) e o Fórum Sindical chegaram a um consenso sobre a proposta para o reajuste das perdas inflacionárias. A negociação foi marcada pela promessa de que as categorias de servidores, que antes ameaçavam uma nova greve geral, agora darão fôlego para o governo.

 

"Não existem vitoriosos ou perdedores. Aqui é a sociedade que está ganhando em razão desse acordo. Já resolvemos a questão da RGA", comemorou o governador. 

 

Os termos do acordo continuam como os que foram anunciados na semana passada. Ou seja, o Executivo pretende pagar 6,58% de RGA em três parcelas. A primeira delas, de 2,16%, em novembro deste ano. A segunda, no mesmo valor, em abril de 2018 e a última, de 2,20%, em setembro do próximo ano.

 

A novidade fica por conta da reposição das perdas inflacionárias geradas justamente por causa do parcelamento da RGA. O governo se comprometeu a dar 2%, em duas vezes, para compensar o escalonamento. Esse percentual deve ser pago em outubro de 2018 e outubro de 2019, podendo ser adiantado caso haja aumento da receita.

 

Apesar do clima de paz e de harmonia, o acordo ainda deve passar pelo crivo das assembleias gerais das diversas categorias de sindicatos de servidores de Mato Grosso. A posicionamento final sobre essa proposta deve ser dada até sexta-feira (30). O governo está confiante. E os sindicalistas mais compreensíveis do que no ano passado.

 

“É  um momento impar para nós. O governo abriu o diálogo neste ano e isso é louvável. Não é o ideal. O ideal está descrito nas leis e o  governo sabe que a data-base é maio. Mas eles nos apresentaram várias conjunturas, vários agravantes, inclusive nacionais”, afirmou o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde e Meio Ambiente (Sisma-MT), Oscarlino Alves. 

 

Diante disso, o deputado Eduardo Botelho (PSB), presidente da Assembleia Legislativa, promete dar prioridade para a matéria a partir da semana que vem, com votação antes do recesso parlamentar. Se tiver o aval dos servidores, dificilmente o projeto enfrentará oposição na Casa de Leis, que no ano passado “sangrou” para dar um desfecho à negociação da RGA. “Vai ser tranquilo. Acredito que vamos ter os 24 votos lá, com certeza”, finaliza Botelho.

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei