Quarta-Feira, 31 de Janeiro de 2018, 15h:04

Tamanho do texto A - A+

Família decide por não velar corpo de menino de quatro anos que morreu no Rio Cuiabá

Por: LUIS VINICIUS

Familiares e parentes do menino Pedro Magno, de 4 anos, que morreu afogado, na manhã de domingo (28), decidiram não realizar o velório da criança que foi afogada pelo pai. De acordo com o relato dos familiares, a decisão foi tomada principalmente pela mãe do menor, na segunda-feira (29), no dia do funeral do seu esposo, o vigilante Magno Ferreira de Moraes, de 25 anos, que foi marcado por muita tristeza e comoção. Pedro será enterrado às 16 horas desta quarta-feira (31), em Cuiabá.

 

O corpo da criança passou por necropsia ainda na terça-feira e foi liberado na noite. A causa morte foi confirmada pelos técnicos como asfixia mecânica e afogamento.  

 

Corpo de Bombeiros

barros tenente.jpg

 

O cadáver de Pedro foi encontrado boiando na manhã de terça-feira (30), por uma equipe da Secretaria de Meio Ambiente (Sema), em uma região conhecida como Barra do Aricá, em Santo Antônio de Leverger (distante 36km de Cuiabá).

 

Logo em seguida, o corpo foi encaminhado ainda na terça-feira ao Instituto Médico Legal (IML), para exames de necropsia. "Não faremos velório. Foi uma decisão da família. Vamos apenas enterrá-lo. A dor é muito grande. Está difícil até de falar", comentou um familiar. O enterro deve acontecer após às 16 horas no cemitério Bom Jesus de Cuiabá, no bairro Parque Cuiabá. 

 

O enterro de Pedro deverá ser acompanhado por familiares e por populares que se comoveram com o caso. A morte da criança se deu após Magno, que era pai da criança e estava em estado depressivo, ter pulado com o menino no Rio Cuiabá, na manhã de domingo (28). No entanto, o caso de suicídio seguido de homicídio estão sendo levantadas pela delegada Ana Cristina Feldner da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

Apesar do laudo estar em análise da Perícia Oficial do Estado (Politec), um tio de Pedro disse que a família não descarta que houve suicídio. “Nós tivemos acesso ao laudo preliminar e o que consta é que Magno se matou e simultaneamente o menino também morreu, pois ele levou o menino nos braços. A esposa de Magno acredita que ele possa estar em depressão após a morte de seu pai. Mas, é difícil sabermos o que de fato foi determinante para que ele tenha tomado essa atitude”, concluiu o parente.

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei - 3

Leia mais sobre este assunto