Sexta-Feira, 10 de Agosto de 2018, 08h:40

Tamanho do texto A - A+

Cuiabá está entre as 7 capitais com menor número de roubos

Por: REDAÇÃO

Mato Grosso reduziu em 18% o número de roubos e furtos de veículos em 2017. De janeiro a dezembro foram registrados 5.402 casos, enquanto no mesmo período de 2016 os registros somaram 6.572. Os dados são do 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2018, divulgado nesta quinta-feira (09), que traz os números dos 26 estados e o Distrito Federal.

 

derfva viatura.jpg

 

O Estado está entre as sete capitais com os menores números de roubos e furtos de veículos. Amapá foi o estado com menor número de roubo e furto de veículos (987), seguido por Rondônia (4.230), Alagoas (4.324), Mato Grosso do Sul (4.554) e Paraíba (5.267).

 

Na contramão das reduções, o estado do Rio de Janeiro registrou aumento de 16,5%. Em 2016 foram 58.455 veículos furtados/roubados. Já em 2017, os registros saltaram para 70.074 casos.

 

“Tivemos resultados positivos devido ao aumento das operações desencadeadas com a integração das forças policiais, Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Grupo Especial de Fronteira (Gefron), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e a Polícia Rodoviária Federal. Nosso trabalho é contínuo buscando promover reduções deste crime em todo o estado”, destaca o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, que esteve à frente da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e furtos de Veículos Automotores (Derrfva) de 2016 a junho de 2018, que agora é comandada pelo delegado Caio Fernando Alvares de Albuquerque.

 

Ainda segundo ele, o combate a roubos e furtos de veículos exige capacitação dos profissionais. As quadrilhas são, em geral, altamente especializadas e utilizam várias estratégias para dificultar a abordagem. “As quadrilhas adulteram os sinais identificadores, como placas, vidros e numeração de chassi. Então, os policiais têm de estar capacitados para identificar estas fraudes. Há muitos casos de veículos clonados com as mesmas características de outro veículo”, explica o delegado.

 

Venda, troca por drogas e desmanches são algumas das frentes de atuação das quadrilhas. Caminhonetes, por exemplo, são geralmente encaminhadas à fronteira com a Bolívia para a troca por drogas. “Há ainda quadrilhas que atuam no comércio interno e aquelas que buscam veículos mais antigos para desmanche e vendas das peças. Nosso trabalho é para coibir todos estes crimes”, pontua Teixeira.

 

Outra prática comum, segundo o delegado, é clonar um veículo a partir dos dados de um modelo semelhante de outro estado. “Falsificam documentos e comercializam os veículos por um preço bem abaixo do mercado”, diz.

 

Procedimentos

 

No momento em que o proprietário tem o veículo furtado ou roubado alguns procedimentos devem ser tomados de imediato para o êxito da localização. De posse da numeração da placa do veículo, o proprietário deve ligar para os números de emergência 190 (Polícia Militar) ou 197 (Polícia Judiciária Civil). De imediato, os profissionais do Centro Integrado de Comando e Controle enviam uma equipe ao local e emitem alerta no sistema de videomonitoramento.

 

Além do disque-denúncia, a Polícia Civil conta com um canal exclusivo via WhatsApp para recebimento de informações referentes a roubos e furtos de veículos. Pelo telefone (65) 99990-0197 qualquer pessoa pode auxiliar as investigações da Derrfva. O sigilo é absoluto.

 

O delegado ressalta a importância do registro do Boletim de Ocorrência (BO) ser feito em uma unidade especializada. “Qualquer unidade de Polícia Civil pode registrar casos de roubo ou furto, mas é importante ir até a Delegacia Especializada porque a instituição faz o boletim no Detranet, que irá colocar a ocorrência em nível nacional”.

 

A sede da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores fica ao lado da sede central do Detran, no Centro Político e Administrativo, em Cuiabá.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei