Terça-Feira, 31 de Julho de 2018, 16h:41

Tamanho do texto A - A+

Laudo de necropsia de assessor parlamentar agredido no Atacadão é inconclusivo

Por: LUIS VINICIUS

O laudo de necropsia do assessor parlamentar Lúcio Pedro da Silva, de 50 anos, morto ao ser agredido por um funcionário dentro do supermercado Atacadão, no bairro Porto, em Cuiabá, apontou causa indeterminada. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), na tarde desta terça-feira (31).

 

Reprodução

líder comunitário pedro lucio

 

A vítima, segundo informações da Polícia Civil, morreu no último dia 25, no Pronto-Socorro de Várzea Grande (PSVG). De acordo com a Politec, o laudo de necropsia foi elaborado no mesmo dia e a causa da morte não foi conclusiva. Diante disso, os peritos realizarão um exame complementar chamado de histopatologia. O resultado deverá ser divulgado entre 30 e 60 dias.

 

A agressão aconteceu no dia 19 de julho. Um familiar do assessor, que não quis se identificar, disse que Lúcio estava fazendo compras no estabelecimento. Em determinado momento, o funcionário L.G.S.B., de 20 anos, passou com um carrinho de transportar produtos e atingiu a perna do homem. Em seguida, o trabalhador e o cliente começaram a discutir em um dos corredores do supermercado.

 

O comunicante informa que, mesmo após a discussão, Lúcio teria se acalmado e tirado o celular de um dos bolsos. Neste momento, o suspeito foi em direção a Lúcio e desferido um soco na vítima. O familiar de Lúcio não explicou o que Lúcio pretendia fazer com o celular.

 

Com o impacto da pancada, Lúcio teria se desequilibrado e batido a cabeça em um dos carrinhos do supermercado. Após a agressão, uma equipe do Atacadão encaminhou Lúcio ao Hospital São Judas Tadeu, localizado no bairro Jardim Califórnia. Na unidade médica, o assessor recebeu atendimento e foi liberado. Em seguida, ele foi até uma delegacia e registrou um boletim de ocorrência.

 

Após a agressão, a Polícia Militar foi acionada e o funcionário preso. Ele foi autuado pelo crime de lesão corporal e logo em seguida liberado. Na segunda-feira (23), ele voltou ao posto de trabalho, mas foi informado da demissão por justa causa.

 

No final da tarde de domingo (22), Lúcio passou mal e foi levado por um amigo ao Pronto Atendimento Médico (PAM). No fim da noite de segunda-feira (23), o assessor foi encaminhado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Pronto-Socorro de Várzea Grande. Ele passou dois dias internado e morreu por volta de 23h40 de quarta-feira (25).

 

Diante disso, policiais civis da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foram até a unidade médica para a liberação do corpo aos familiares. O corpo dele foi transladado à cidade de Poconé (100 km de Cuiabá).

 

De acordo com familiares, Lúcio era assessor parlamentar do vereador de Cuiabá Sargento Joelson (PSC). A vítima deixa um filho de 18 anos.

Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto








Mais Comentadas