Quinta-Feira, 03 de Outubro de 2019, 17h:12

Tamanho do texto A - A+

Com sonho de lançar livro, escritor divulga obra nas ruas de Cuiabá

Por: KHAYO RIBEIRO

Motivado pelo sonho de lançar seu primeiro livro, o escritor mato-grossense Lucas Lemos, 26 anos, realizou uma intervenção artística no Centro de Cuiabá. Sob olhares curiosos da população, o jovem artista estendeu um convite inusitado ao diálogo sobre arte. Prostrado sobre uma mesa na esquina da Praça Alencastro, um cartaz repousava com o seguinte questionamento: “E se amanhã não houvesse poesia?”.

Titosfera Fotografia

Lucas Lemos

 Registro da intervenção 

O ato de resiliência do artista, em alguma medida, já adiantava ao público parte do conteúdo da primeira obra escrita de Lemos, o livro de poesias “Nossa alegria triste”. Com sede no Instituto de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), o lançamento do livro será realizado no dia 15 deste mês.

“O objetivo era a experiência, levar poesia para a rua, conversar com as pessoas de perto, sair da bolha das redes sociais e tentar entender qual é a visão da arte, da poesia nesse caso, para cada um que estivesse passando por ali”, pontuou o jovem escritor. 

A velocidade dos olhares que iam ao encontro do ambiente inusitado montado pelo escritor competia com o trânsito das pessoas que subiam e desciam da estação de ônibus próxima ao local. Nessa esfera de agitação, em um ato de intervenção, Lemos aguardava em repouso por uma resposta a sua pergunta.

Não bastou muito até que o primeiro entusiasta aparecesse. No alto de sua experiência, um senhor de 76 anos devolveu o questionamento ao jovem escritor: “Se não houvesse poesia? Moço, me desculpa, mas você tem quantos anos mesmo?. Com quase um terço da idade do ancião, Lemos respondeu a pergunta.

Titosfera Fotografia

Lucas Lemos

 Escritor Lucas Lemos, 26 anos

“Você já viu o vento alguma vez na vida? Eu tenho 76 e nunca vi. Pois é, o vento está aqui, está no mundo todo agora mesmo sem a gente ver. A poesia é viva, e o amanhã a Deus pertence. Ela [a poesia] não morre, não”, respondeu o ancião logo em seguida.

Ao HNT/HiperNotícias, o jovem escritor antecipou que a experiência no centro de Cuiabá rendeu bons momentos de troca. E, por conta disso, outras intervenções devem ser executadas antes do lançamento oficial do livro, no próximo dia 15.

A performance para o escritor veio como uma forma de atrair novos olhares sobre a sua produção, principalmente quando consideradas as dificuldades do acirrado mercado de editoras.

“Hoje, acontece de lançarem pessoas já consagradas, ou mesmo conhecidas em outras áreas de atuação da cultura, como as biografias de autores, atores e atrizes, ou outros famosos, por exemplo. Falta um pouco de espaço para o escritor e a publicação independente é uma opção. Mas não é nada fácil. Porém, tem sido amplamente explorada e abre caminho para quem, como eu, ainda tá começando”, argumenta Lemos.

Titosfera Fotografia

Lucas Lemos

 

Sobre o autor:
Nascido em Juína-MT, Lucas Lemos é acadêmico em Letras Literaturas pela Universidade Federal de Mato Grosso-Campus Cuiabá. Como fotógrafo e social mídia, já assinou a linguagem visual e escreveu roteiros para o Studio 202, a Loja Zaffir, a Loja Fave; fez produções para o Shopping Pantanal, a Pizzaria Padrino, o Chef Juliano, e o Sindicato Intermunicipal de Hoteis, Restaurantes, Bares e Similares de Mato Grosso (SHRBS-MT), além do canal de humor Não Convém.

Atualmente, ele é diretor cultural do Grupo Cena Livre de Teatro, no qual já escreveu, encenou e dirigiu três espetáculos: Factóide (2017), Cápsulas de Humor (2019) e Ele é Quem Quer (com estreia dia 19 e 20 de outubro no Teatro Universitário da UFMT).

Credito: Titosfera Fotografia
Credito: Titosfera Fotografia
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei