Sexta-Feira, 20 de Dezembro de 2013, 18h:00

Tamanho do texto A - A+

Construtora atrasa entrega de imóvel e proprietários protestam

Empreendimento tinha prazo para ser entregue pelo Grupo MRV em maio de 2012

Por: ELIANA BESS







Futuros moradores do condomínio Parque Chapada dos Guimarães, em Várzea Grande realizam uma manifestação neste sábado (21) para reivindicar a entrega da primeira etapa da construção. O ato acontecerá na localidade que abriga 11 torres de construção, às 8 horas. A MRV Engenharia não se posicionou em relação a uma data para a entrega.

Cerca de 7 torres já deferiam ter sido entregue. O prazo dado pelo Grupo MRV, construtora responsável era maio de 2012. E na sequência as torres restantes. O problema é que até o momento nenhuma das etapas foram entregues. Há cerca de um mês os moradores fizeram mobilização no local do condomínio, na avenida da FEB.

O fato desencadeou uma insatisfação entre as 300 famílias que já deveriam estar residindo no condomínio e agora, vão participar do movimento. “Não dão satisfação, extrapolam os prazos que eles mesmos determinam. Não dá para suportar mais”, declarou a futura moradora Marinha Soares Barbosa.

Por meio da assessoria de imprensa, a MRV informou que o residencial Parque Chapada dos Guimarães está na etapa final.

Marinha Soares

Moradores fizeram mobilização há semanas para cobrar direito de ter o imóvel

“Todos os blocos estão com as obras finalizadas e com os serviços de água, esgoto, gás e energia implantados. Nesta sexta-feira (20), foi realizada uma reunião com o síndico e demais representantes do residencial para passar todas as informações sobre o empreendimento”, consta em documento da asssessoria.

Há dois meses os moradores programaram um protesto por meio das redes sociais, mas fracassou porque a empresa ficou sabendo e procurou a diretoria pedindo um prazo de 30 dias, que venceu na sexta-feira (20) para efetuar a entrega. Mas, segundo os moradores, nenhuma posição foi dada até o momento.

Os apartamentos foram adquiridos na planta. Estão prontos, inclusive os proprietários já fizeram a revisão, a tal visita técnica. Até a implantação do condomínio com escolha de sindico e demais membros da diretoria foi realizada em agosto deste ano.

É uma fase conclusiva para a entrega das chaves. Na sequência os moradores contrataram um engenheiro para vistoria na área externa que detectou várias irregularidades, que estão sanando.

Um tempo atrás alegaram que faltava o habite da prefeitura, que havia sido devolvido por falta de documentos.

Marinha Soares

“Extraoficialmente ficamos sabendo que esse documento, a Prefeitura de Várzea Grande já emitiu. Agora não temos mais o que esperar, queremos uma posição da MRV. Queremos as chaves para morar, não tem como dar mais prazos”, argumenta Marinha.

Segundo a companhia, já foram apresentados à Prefeitura de Várzea Grande todos os documentos necessários para a finalização do processo de emissão do Habite-se, certidão que comprova a finalização da obra e habitabilidade do empreendimento.

Quanto a data de entrega a empresa não se manifestou.

REUNIÃO URGENTE

Na manhã de sexta-feira (20), data que venceu o prazo dado pela construtora para a entrega (depois de vencidas outras datas), o síndico Cleyton Fragoso foi procurado para uma reunião urgente que causou estranheza.

Com a participação de dois representantes (Ricardo e Roberto) do Grupo MRV, o que aconteceu foi o retorno da vistoria realizada nos imóveis no final de novembro (dia 26).

“O que despertou estranhamento foi o fator “urgência” por parte dos membros da MRV. Devem estar sabendo da vontade do grupo (protestar) em relação ao descontentamento da maioria”, pontuou o síndico.

Na oportunidade a diretoria do condomínio apontou alguns pontos que ainda não foram corrigidos, como por exemplo, os vãos nos muros, a pintura externa do muro próximo a guarita, entre outros itens.

Cleyton chama a atenção para o fato de que a MRV querer entregar o condomínio sem o devido documento necessário, o “Habite-se”. “Isso é um risco muito grande para todos. A MRV vai entrar em contato com as pessoas que estão aptas a receber a chave e pedir para assinar documento em que o proprietário consente e assume a responsabilidade de não aceitar a vistoria da área comum por parte do corpo administrativo do condomínio”.

O síndico confirma participação no evento e acredita que as manifestações devem acontecer não apenas no condomínio, mas também nos locais de lançamentos da MRV Engenharia
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto




6 Comentários

Rico Souza - 23/12/2013

Acho que todos deveriam entrar na justiça, pois picaretagem desta imobiliária tem que ter limite. O consumidor não pode ser lesado, e ficar por isso mesmo. Justiça neles.

Pedro Lima - 23/12/2013

Compre um apartamento da MRV, e vire sem-teto.

barretos - 21/12/2013

Esta MRV é uma vergonha. Onde está o direito do consumidor. O código penal tipifica esta conduta como estelionato. Acho que a MRV veio para MT porque sabe que neste Estado, só vigaristas se dão bem.

Carlos Alberto - 21/12/2013

Parabéns para este site. Foi o único que teve coragem de publicar uma matéria desta imobiliária que já vem a tempo lesando seus condôminos. A MRV gasta fundos e mundos para fazer propagandas nos meios de comunicações, levando pessoas ingenuas a acreditar no sonho da casa própria. Um sonho que vira pesadelo.

Luis Roberto Lima - 21/12/2013

Também comprei um apartamento da MRV, e como os outros, até agora também não recebi. A MRV não respeita os clientes, não é uma empresa séria. A MRV é um circo, e nós os palhaços. Lamentavelmente, entrei na justiça, para a menos recuperar o dinheiro que investi neste condomínio. Se arrependimento matasse, eu já estaria enterrado no apartamento que comprei e nunca recebi.

carlos - 21/12/2013

Comprei um apartamento na MRV, era o sonho da casa própria. No entanto, desde 2008, este sonho se tornou um pesadelo. Passados, 5 anos, sempre pagando a infinita fase das obras, (900,00 por mês), não existe a mínima chance de isto acontecer. A MRV ache como estelionatária, vende sonhos a trabalhadores, e transforma a vida deles num pesadelo. Não respeito o contrato, nem os prazos, e cada vez mais, onera seus clientes. Pago aluguel, pago eternamente a fase de obras, e do meu pobre salário, pouco resta. Se você sonha com um apartamento, não cai na insanidade de comprar da MRV. Você estaria caindo num golpe.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA







Mais Comentadas