Sexta-Feira, 09 de Agosto de 2019, 08h:54

Tamanho do texto A - A+

Equipamento quebrado, que custa R$ 2 milhões, impede cirurgia de idosa

Por: KHAYO RIBEIRO

Arquivo pessoal

idosos


Batalhando há dois anos pela saúde, a idosa Alice Santana da Silva, 66 anos, não consegue realizar uma cirurgia que pode mudar sua vida porque o equipamento necessário para execução do procedimento está inativo.

O aparelho de hemodinâmica (que avalia a circulação do sangue nos vasos), orçado em R$ 2 milhões, está quebrado, no Hospital São Benedito em Cuiabá, desde 2016, ano em que foi comprado pela unidade médica com dinheiro público.

A família da idosa classifica a situação como um “descaso”, não só com a matriarca, mas como com toda população que poderia utilizar o equipamento, mas não consegue por conta da inatividade do aparelho.

Ao HNT/HiperNotícias, o filho de Alice, Júlio César Santana da Silva, 43 anos, contou que já entrou em contato com o Ministério Público de Mato Grosso (MP-MT) e com a Prefeitura de Cuiabá para tratar do tema. Contudo, a situação nunca foi respondida de forma clara.

“Minha mãe sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) em 2016. De lá para cá, ela já teve quatro aneurismas. Hoje, ela tem uma estenose, que é quando uma veia que bombeia sangue do coração para o cérebro fica entupida. Essa veia da minha mãe já está 95% entupida”, conta Júlio César.

O relato de Júlio César faz coro a um vídeo postado por Kerle Santana da Silva, filha da idosa. Na filmagem, a mulher conta que a máquina poderia realizar, inclusive, outros procedimentos de alto custo, como cirurgias cardiológicas e neurológicas.

“A minha mãe está na luta há um tempo já, ela já teve até câncer de mama em 2017. Os médicos disseram que se a máquina estivesse em funcionamento, a cirurgia dela seria feita em 15 minutos. Se a máquina não é para funcionar, por que comprou? É um descaso. Isso aí é brincar com a cara da população”, se indigna o administrador de empresas Júlio César.

Diante da situação, Júlio César conta que não sabe se a mãe vai conseguir utilizar o equipamento, uma vez que, quando a estenose chegar a 100%, a idosa não poderá mais ser submetida a procedimento reparatório.

“A equipe do São Benedito disse que está sempre pronta para atender, mas precisa de pessoal especializado para operar a máquina. Além, é claro, de insumos. A gente vai continuar brigando para essa máquina ser colocada em funcionamento. Senão pela minha mãe, pelas outras pessoas que poderiam estar utilizando, mas não estão”, finalizou Júlio César.

O OUTRO LADO

À reportagem, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) apontou que, para funcionar, o maquinário precisa de insumos que só são liberados após a realização de trâmites legais junto ao Ministério da Saúde.

Confira a seguir a nota na íntegra emitida pela SMS em relação ao caso.

"Sobre a demanda de neurocirurgia através da utilização da hemodinâmica no Hospital São Benedito, a Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP) informa que:

O Hospital ainda não possui credenciamento pelo Ministério da Saúde. A atual Gestão está tomando providências quanto a habilitação dos procedimentos que exigem a utilização do equipamento, com levantamento e aquisição de insumos.

O Hospital Geral é o único habilitado para procedimentos de hemodinâmica, e após o credenciamento, o serviço será realizado no Hospital São Benedito, seguindo a determinação do prefeito Emanuel Pinheiro."

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto