Quinta-Feira, 08 de Junho de 2017, 08h:34

Tamanho do texto A - A+

Aprosmat afirma que Plano Agrícola e Pecuário atende demanda dentro de um cenário impreciso

Por: REDAÇÃO

A Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat) acompanhou o lançamento do Plano Agrícola e Pecuário realizado pelo presidente da República Michel Temer e o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) na manhã desta quarta-feira, no Palácio do Planalto.

 

De acordo com o Mapa, são R$ 190,25 bilhões destinados ao Plano Agrícola e Pecuário 2017/2018, por meio do qual médios e grandes produtores poderão acessar o crédito rural, entre 1º de julho deste ano e 30 de junho de 2018. O governo federal também reduziu, entre um e dois pontos percentuais, os juros das operações.

 

Segundo o vice-presidente da Aprosmat, Carlos Ernesto Augustin, o Mapa fez um bom trabalho. “Dentro das possibilidades da conjuntura nacional, conseguimos manter o mesmo volume de recursos, reduzir um pouco a taxa de juros. Tivemos algumas reduções de prazo, como de armazenamento, claro que é muito bom, mas diante do cenário não poderíamos esperar algo melhor que do ano anterior. Acho que o Ministério conseguiu trabalhar bem”, afirmou Augustin, logo após o anúncio. Também representaram a Aprosmat o presidente Gutemberg Silveira e o produtor Lucindo Zamboni Junior.

 

Dados divulgados pelo Mapa mostram que o volume de crédito para custeio e comercialização é de R$ 150,25 bilhões, sendo R$ 116,25 bilhões com juros controlados (taxas fixadas pelo governo) e R$ 34 bilhões com juros livres (livre negociação entre a instituição financeira e o produtor). O montante para investimento saltou de R$ 34,05 bilhões para R$ 38,15 bilhões, com aumento de 12%. Apoio à comercialização terá 1,4 bilhão.

 

Em relação aos juros, houve redução de um ponto percentual ao ano nas linhas de custeio e de investimento e, de dois pontos percentuais ao ano nos programas prioritários voltados à armazenagem (Programa para Construção e Ampliação de Armazéns/PCA - 6,5% a.a.) e à inovação tecnológica na agricultura (Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária/Inovagro - 6,5% a.a.). No custeio, os juros caíram de 8,5% ao ano e 9,5% ao ano para 7,5% e 8,5%. O mesmo aconteceu para os programas de investimento, à exceção do PCA e Inovagro, nos quais a taxa foi fixada em 6,5% ao ano.

 

Os recursos para investimento em armazenagem, de R$ 1,6 bilhão. Nessa temporada, os cerealistas também serão beneficiados no plano. O programa de Inovação Tecnológica (Inovagro) tem uma linha de crédito para apoiar o uso da conectividade no campo. Isso contribuirá para melhorar ainda mais a gestão das propriedades rurais, por meio da informatização e do acesso à internet. A inovação tecnológica é um dos principais fatores para alavancar a produtividade agrícola. (Com Informações do Mapa)

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei