Domingo, 29 de Outubro de 2017, 09h:23

Tamanho do texto A - A+

"Bandido bom é bandido morto, e de pé, para não ocupar espaço" diz pré-candidato

Por: LUIS VINICIUS

“Bandido bom é bandido morto, e de pé, para não ocupar espaço”. Essa é a opinião do agente da Polícia Federal, Rafael Ranalli, pré-candidato a deputado federal pelo partido Patriota em Mato Grosso. Apoiador do depuatdo federal Jair Bolsonaro (Patriota-RJ), Ranalli se considera um político de mudança e defende o fim do Estatuto do Desarmamento, legislação aprovada em 2003 e que restringiu o porte e a posse de arma de fogo no Brasil.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

policial federal/rafael ranalli

 

“Na minha opinião, bandido bom é bandido morto e, de preferência, de pé para não ocupar espaço. Hoje em dia, a gente vê muitas pessoas defendendo vagabundo. Isso está errado. Nós temos que parar com isso. No Brasil se inverteu os valores. Nós vemos hoje pessoas incentivando o cara ser malandro. As pessoas pensam que ser malandro é legal, mas não, ser malandro não é legal. Antigamente, os sonhos das crianças eram ser polícia, hoje, é perigoso o sonho da criança é ser bandido e não ser polícia. Hoje o errado é certo e o certo é errado. Não pode ser assim. Se você falar o nome de Deus, da família as pessoas viram a cara para você”, disse o policial.

 

Recém-filiado ao Patriota, Ranalli afirmou, em entrevista exclusiva ao HiperNotícias, que pretende entrar na política para poder representar uma mudança no cenário mato-grossense e nacional.

 

“Aconteceu naturalmente, eu nunca sonhei em ser político. Eu entrei neste mundo pelo meu jeito, eu tenho muitas amizades com todos dentro da Polícia. O anseio atual da sociedade, de querer mudança e de não conseguir ficar quieto, foi fator fundamental para eu querer entrar na política. Eu estava falando com alguns amigos e disse que o primeiro cargo que um político pode ocupar é o cargo de síndico. Eu sou síndico do meu prédio há quatro anos e gostei desse negócio de política. Foi ai que eu pensei que poderia entrar no ramo e tentar mudar aquilo que eu vejo que não é certo. Na política tem muita coisa errada”, avalia.

 

Apoiador declarado de Bolsonaro, Rafael disse que é um defensor das ideias de direita conservadora. O pré-candidato afirma também que não acharia ruim ser chamado de Bolsonaro de Mato Grosso.

 

“Eu conheci as ideias do Bolsonaro em 2012 por meio das mídias sociais, onde ele está mais presente. Desde essa época, eu percebi que os pensamentos dele eram semelhantes aos meus, que é sempre em pró da família e de Deus. Ele é um defensor da polícia e das pessoas de bem. Eu me identifico muito com o Jair Bolsonaro pela questão da sua sinceridade e honestidade. Não acharia ruim se me chamassem de Bolsonaro de Mato Grosso. Ele é perseguido porque fala a verdade. O pensamento dele se assemelha muito com o pensamento do policial, que é ser correto e honesto".

 

Alan Cosme/HiperNoticias

policial federal/rafael ranalli

 

Para Ranalli, a Lei do Desarmamento vai contra os interesses individuais do cidadão. Ele afirma que todo cidadão de bem, que cumpre com seus compromissos, deveria se armar.

 

“Todo cidadão de bem e que cumpre com os requisitos objetivos da lei, tem que ter uma arma. Você é a primeira pessoa a defender a sua família.  Essa história de desarmamento começou lá atrás, em uma política socialista, quando a gente foi engabelado no plebiscito em que o armamento ganhou e o nosso governo criou a lei do desarmamento. Para as pessoas de bem, o governo fez essa campanha. Com isso, os bandidos ficaram mais fortes ainda. Quase 70 mil pessoas morrem por ano nesse país por morte de arma de fogo. As pessoas de bem sofrem. Não é justo. Agora imagina a população armada, o bandido não vai querer mexer".

 

O policial acredita que a população mato-grossense está cansada dos mesmos políticos e sugere uma reciclagem nos governantes do Estado. Ele se diz contra a reeleição e afirma que o político deveria ter cinco anos de mandado.

 

“Tem muita coisa errada na política de Mato Grosso. Olha o tanto de escândalos de corrupção no nosso Estado. Um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) disse que a Operação Ararath seria a maior do país se não fosse a ‘Lava-Jato’. É muita vergonha. É muito dinheiro público que pegaram. Está na hora de trocar os políticos de Mato Grosso. Tem que renovar. Todo ano vemos figurinha repetida, carimbada está na hora de mudar. Toda eleição são os mesmos. Sou contra esse negócio de reeleição. Na minha opinião, o político deveria ter apenas um mandado, mas com cinco anos para governar. Eu acho que 90% das pessoas estão insatisfeitas com a política. É o que o acho, porque nas pesquisas que empurram na gente eu não confio muito. Não tem como estar satisfeitos nos dias de hoje”, explicou.

 

Polícia Federal

 

Rafael acredita que a Polícia Federal é um dos órgãos que tem mais credibilidade junto a população.

 

“A questão da honestidade não há nem o que se falar da Polícia Federal. Em todas as pesquisas, a PF é o órgão que tem mais credibilidade junto a população. Você não vê caso de corrupção de policial federal”, diz

 

O pré-candidato afirma que as famílias dos próprios agentes não têm segurança e pede uma atenção maior aos policiais militares e civis.

 

“Hoje ninguém tem segurança. O seu filho vai para a escola e você não tem certeza se ele vai voltar vivo.  Bandido está se criando, eles te abordam na rua e perguntam se é polícia, se for, eles te matam. A Polícia é a última fronteira da sociedade, é o limite. E o policial tem alvo na testa. Eu admiro muito os policiais militares porque eles andam com o alvo no peito que é a farda. Eles têm que ter mais atenção. Os policiais estão morrendo e isso está errado. Nesse país, isso é reforçado, eu nunca vi isso. Nos Estados Unidos, se um policial morrer, a cidade para. O povo não aceita. A inversão de valores está total nesse país", finaliza. 

 

Leia mais sobre este assunto




9 Comentários

Alcir - 11/06/2018

Tem meu voto Rafael. Sou conta político de "carreira". Votar em político que está tentando reeleição é burrice. Também votar em quem está em pleno mandato e larga a vaga para um suplente, para poder tentar outra vaga é outro erro. Por exemplo: se eu votei em um vereador para exercer seu mandato por 4 anos, porque ele vai deixar seu mandato para um suplente? Considero Isso como "gozar" da cara dos seus eleitores!

Carlos Nunes - 31/10/2017

Pois é, ainda falando sobre Segurança Pública...o comentarista do Rede TV News, acaba de dar a notícia, que eu não sabia até hoje: antigamente o Brasil só tinha uma facção criminosa, o C.V., agora tem 87 facções criminosas no Brasil. A cabeça da Hidra cresceu uma barbaridade. Se já era difícil dar conta de uma, de 87 então, só o Superman. Como Superman só existe no gibi ou nos filmes...tamos é ferrados. Cidadão de bem desarmado, despreparado pra usar arma, nem que seja pra dar um tiro pra cima e o bandido covarde correr...vai ficar assim: atirado numa arena cheia de leões, e alguém gritando: vê se sobrevive, seus idiotas. Hoje, com uma lei que só favorece os bandidos, se o cidadão de bem der um tiro pra cima, responde processo pra explicar porque deu o tiro pra cima, uai. Tem alguma coisa errada nessa estória toda, em desfavor do cidadão de bem, ou não? Aí, os sites da Capital já deram essas notícias: bandido invade casa e estupra a mulher em frente do marido; bandido invade casa e estupra mulher em frente da mãe; bandido invade casa e estupra mulher em frente da filha. Esse bandido na certa tava armado com um 38, ou não?

CIDADAO REVOLTADO - 30/10/2017

JÁ TEM MEU VOTO.... #BOLSONARO2018

Benedito costa - 29/10/2017

Policial foi instituido pra prender bandido, investigar crimes e restabelecer a ordem. Policial nao foi criado pra dar opiniao, embora sou a favor que bandido ou na cadeia ou morto.

Teka Almeida - 29/10/2017

Rafael Ranalli vc está certíssimo, é uma pena que não vai prá frente o seu posicionamento, pois os deputados ao criarem a leis se colocam no lugar dos "bandidos" e amenizam as penas já prevendo que um dia poderão ali estar. Comungo com vc. E ao leitor Carlos Nunes, em poucas linhas falou a nossa realidade.

Ricardo Franco - 29/10/2017

Ranali não te conheço, mas já tem meu voto pelos seus ideais de família que são iguais aos meus. Ninguém aguenta mais essa roubalheira e inversão de valores. Parabéns pela atitude.

Rodrigo - 29/10/2017

Muito bom! Precisamos de pessoas honestas se interessando por política. Parabéns, Ranalli, pela escolha.

Paulo Brandão - 29/10/2017

Tem meu apoio! Tem o voto de minha família.

Carlos Nunes - 29/10/2017

O cara tá certo na parte em que destaca a inversão de valores...faz tempo que trocaram alhos por bugalhos. O maior indicador social do país já é incalculável: em cada cidade brasileira, em cada bairro, tem uma porção de bocas de fumo. Virou cabeça de Hidra, onde corta uma, aparecem duas, cortam duas, aparecem quatro. E traficantes loucos pra adotar o filho de alguém pra encher os bolsos...e vai adotar, a família será a última a saber, e quando souber vai chorar. Esse fenômeno tá acontecendo aos montes. É como o Datena já disse várias vezes: a bandidagem primeiro tomou as ruas, depois começou a invadir as casas. Agora já tem um bandido, ou na porta da casa, ou na esquina, ou na rua, esperando...e o negócio piora mais, porque estão cada vez mais audaciosos. Durante vários governos deixaram o Mal avançar, enquanto o Bem recuou...agora tá difícil reverter isso.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA