Quinta-Feira, 02 de Agosto de 2018, 17h:35

Tamanho do texto A - A+

"Xerife do crime" foi encontrado embaixo da cama antes de ser morto em confronto

Por: LUIS VINICIUS

Considerado um dos maiores assaltantes da periferia de Cuiabá, Flávio Castro de Lima, de 31 anos, conhecido como “Sapinho”, foi encontrado “embaixo de cama”, antes do confronto com a Polícia Militar. A informação consta no boletim de ocorrência, registrado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso.

 

sapinho montagem.jpg

 

Conforme o documento recebido pelo HiperNotícias, "Sapinho" foi encontrado com um tiro no ombro esquerdo e na cabeça, por policiais civis da DHPP. Ao serem questionados, os policiais militares disseram que o criminoso era procurado desde a noite de terça-feira (31), quando surgiram informações de que ele teria participado de uma troca de tiros com policiais militares, no bairro Jardim Mariana, em Cuiabá.

 

Os agentes iniciaram investigação na procura do suspeito e seus comparsas. No fim da tarde, receberam várias informações de que o criminoso estaria em uma casa do bairro Novo Colorado. Os militares disseram que, quando chegaram à residência, encontraram a porta arrombada.

 

Ao entrarem no imóvel, os agentes encontraram o assaltante embaixo de uma cama. Em seguida, os militares contaram que "Sapinho" apontou um revólver calibre 32 para a equipe policial, que rapidamente atirou na direção do bandido. O criminoso foi atingido por dois disparos.

 

Logo depois, os policiais acionaram uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas quando os socorristas chegaram ao local, Sapinho já estava morto. Após a constatação do óbito, moradores da região se revoltaram e lançaram pedras e fogos de artificio na direção dos agentes. Uma viatura do Samu foi apedrejada.

 

Revoltados com a morte do criminoso, conhecido por manter a segurança na região, os moradores romperam a fita zebrada que isolava o local e lançaram pedras e fogos de artifício contra os policiais. Para dispersar a multidão, os militares do Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) utilizaram granadas de efeito moral, gás lacrimogênio e disparos de elastômero e, com isso, a multidão recuou.

 

O corpo de "Sapinho" foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

 

 

Leia também 

 

"Justiceiro do crime", Sapinho morre em troca de tiros com a PM

Conhecido como "Xerife", história de Sapinho já foi tema de filme nacional

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei