Sábado, 04 de Julho de 2015, 08h:12

Tamanho do texto A - A+

Sefaz economizará R$ 300 mil em jardinagem usando o trabalho de reeducandos

Ideia faz parte de um projeto-piloto que prevê a contratação de recuperandos para trabalhar na manutenção do pátio externo, pintura de meio-fio, além de serviços de limpeza

Por: RAYANE ALVES

Marinha Soares/ Assessoria

reeducando

Cortar gastos oferecendo uma nova chance a quem precisa. Essa é a ideia de um projeto-piloto, lançado nesta sexta-feira (3), que prevê a contratação de recuperando para trabalhar na manutenção do pátio externo, pintura de meio-fio, além de serviços de limpeza. Com isso, a Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) deve economizar R$ 300 mil por ano em jardinagem usando trabalho de reeducando. 

 

Caso a experiência seja bem sucedida, a intenção do Governo do Estado, por meio da Fundação Nova Chance, é estender a iniciativa a todos os órgãos públicos que funcionam no Centro Político Administrativo.

 

Conforme a diretora da Fundação, Cíntia Selhorst, a instituição será responsável por estimular a contratação dos reeducandos, tanto em empresa pública quanto em privada.

 

“Um dos benefícios de quem contrata são os incentivos fiscais que as empresas ou instituições recebem. Além disso, também tem a questão da mão de obra compenetrada. Já os reeducandos, terão a possibilidade de ajudar a sustentar a família e, a partir disso, já terão uma profissão. E a cada três dias de trabalho, um dia da pena será diminuída”, disse.

 

Já existem alguns detentos fazendo serviços extramuros, até mesmo em órgãos públicos, como na Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). A diferença desse projeto, segundo Selhorste, é que, pela primeira vez, o contratante, no caso a Sefaz, arcará apenas com o subsídio do recuperando, o equivalente a um salário mínimo/mês. A fundação ficará responsável pelo transporte, alimentação e uniforme. 

 

Conforme o secretário da Sefaz, Paulo Brustolin, inicialmente serão contratados seis homens para atender a sede. Mas a ideia é, com o passar do tempo, aumentar o número de contratados, para atuar em outros prédios da Sefaz, como o Posto Fiscal Flávio Gomes (BR-364, saída para Rondonópolis) e arquivo (Coxipó). Além de reduzir custo com contratos, o secretário destaca a importância social do projeto, que objetiva a ressocialização dos presos. 

 

“Isso é uma oportunidade que nós estamos dando para quem cometeu um crime se arrepender e voltar a fazer o que é certo. Todos vão ter direito a um salário mínimo no final do mês, para trabalhar durante certo período do dia. Isso é um pequeno exemplo que podemos expandir para outras áreas também”, afirmou.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei