Sexta-Feira, 09 de Outubro de 2015, 10h:00

Tamanho do texto A - A+

Casa de Artes de Várzea Grande imprime novo conceito para potencializar desenvolvimento na área artística

Por: REDAÇÃO

Parte do patrimônio de um povo é sua diversidade cultural, representado no folclore, música, artesanato, artes plásticas e gastronomia. A cultura regional e fonte rica de diferenciais criativos e agrega valores.

 

Assessoria

Casa de Artes

 

A Casa de Artes com este novo conceito de potencializar o desenvolvimento na área artística é nosso objetivo, em comum, com os artistas de Várzea Grande, disse a prefeita Lucimar Sacre de Campos ,ao abrir o evento da Iª Feira Cultural da Casa de Artes de Várzea Grande, que prestou homenagem ao elenco de artistas e apoiadores que colaboram para a manutenção das tradições culturais populares no município. A Feira ocorreu no final da tarde de ontem(8).

 

A 1º Feira Cultural reuniu diversas modalidades artísticas, incluindo grupos de Siriri, Violino e Rasqueado. Também foi disponibilizada a aquisição comercial das peças de arte e artesanato expostas nos diversos ambientes da instituição, trabalhos apresentados pelos próprios fabricantes e artesãos homenageados. A  prefeita Lucimar Campos também  destacou a importância de se preservar os valores culturais de Várzea Grande, a fim de que possam ser vivenciados pelas novas gerações, quando da entrega das homenagens.

 

"Esta é uma noite que oportuniza com que a história de Várzea Grande se concretize muito mais em nossa memória. História que orgulha seus habitantes. A viola de cocho afixada na esquina da Casa de Artes enfoca exatamente o quanto é importante resguardar a trajetória cultural/artística do município, preservando-a para as novas gerações. Vocês, que hoje recebem uma singela homenagem da Prefeitura, merecem ser parabenizados pelo muito que contribuem com a cultura e a arte regional, em si. Pois não existe cultura sem gente, nem tradição sem orgulho. A nossa terra é tão valiosa para Mato Grosso que precisamos transferir essa riqueza em respeito permanente aos construtores de sua história. A Casa de Artes está receptiva, de portas abertas, para acolher os talentos natos desse povo. Aqui têm um berço cultural esplêndido, onde poderão se reunir e expandir o potencial artístico que possuem", destacou a prefeita Lucimar Campos.

 

Também presente ao evento, o Vice-prefeito Arilson Arruda externou sua satisfação de participar de um evento que revive, de forma enfática, a arte e a cultura de Várzea Grande. Segundo ele, são temas merecedores de atenção especial, pelo muito que comportam em valores sociais, exemplos repassados de geração a geração. "A Casa de Artes tem hoje um novo conceito, diferenciado no aspecto de acolher os artistas e promover a valorização do fruto do seu trabalho. Fico emocionado em estar justamente num lugar em que estudei. Espaço que agora se tornou referência cultural. É mais do que uma festividade, essa Feira, pois simboliza um avanço excepcional direcionado àqueles que fazem da arte seu dia a dia idealista", disse.

 

Para o presidente do Instituto Histórico, Geográfico e Cultural de Várzea Grande, Osmar Milan Capilé, essa iniciativa da prefeita Lucimar Campos em estruturar o desenvolvimento da arte e da cultura regional vem ao encontro das expectativas dos artistas. “Não podemos perder uma cultura tão rica em Mato Grosso, que  daí meus parabéns à prefeita por lançar um novo alento ao setor. Esta Feira é riquíssima neste aspecto, o de congregar incentivo aos artistas locais. Acredito que teremos bons resultados disso muito em breve”, pontuou. 

 

Na opinião da secretária de Educação do município, Zilda Pereira Leite, é animador comprovar que a arte e a cultura têm agora apoio oficial para trocar idéias empreendedoras e projetos, estabelecendo-se prévia garantia de que serão valorizadas e concretizadas.“Mais do que inovada, com conceito resguardado no respeito e valorização à categoria dos artistas, todos eles, a Casa de Artes agora está 100% receptiva aos cidadãos dessa terra. É um espaço público de trabalho, de visitação, de confraternização e apreciação dos produtos aqui expostos. Prova do quanto nosso povo é talentoso, capaz de empreender. Certamente, muitas histórias de hoje se moldarão em fatos integrados à diversidade cultural varzeagrandense em futuro breve. Com esta ‘nova’ Casa de Artes, a prefeita Lucimar Campos construiu, na realidade, uma sólida ponte para o setor artístico, conexão que seus integrantes tanto desejavam”, disse a secretária.

 

Ainda nas solenidades de abertura da Iª Feira Cultural, após o Hino de Várzea Grande e pronunciamentos das autoridades presentes à Mesa de Honra, houve apresentação musical a cargo do Grupo Cinco Morenos e das cantoras Renata Prado e Vanessa de Oliveira. Os homenageados foram: Ariston Paulino de Sousa – escultor, restaurador e poeta;  Dalva Leite de Oliveira –bordadeira, arte sacra e pantaneira; Daniel Barredo Dorileo – artista plástico; Domingos de Oliveira – Grupo “Os cinco morenos”; Duílio Gonçalo Almeida Sampaio – artesão que fabrica viola de cocho, violão de cocho e viola caipira de cocho; Edenil Maria da Silva – Grupo de Cururu e Siriri Nhana Santana; Ernane de Oliveira Monteiro – artesão; Germano J. da Silva – artesão;  Gonçalina Barros da Rosa – redeira; Inês Benevides Nogueira – artista plástica; Jacinta Domingas do Espírito Santo – Grupo de Siriri Passo Miudinho; José Eustáquio Pulula da Silva – jornalista e historiador; José Luiz Medeiros – repórter fotográfico; José Wilson Tavares – escritor; Laércio Irineu de Proença – artista plástico; Luide Ribeiro da Silva do Carmo – artista plástica e bordados em tecidos; Lucinei Antonio Pereira “Giva” – redeira;  Márcio de Almeida Monteiro – artesão; Miguel de Moraes - Grupo “Os cinco morenos”; Miguel Santana – cantor e compositor - Banda Scort Som;  Moacir Delanes - escritor; Odenil Seba – artista plástico e regente; Osmar Milan Capilé – Instituto Histórico, Geográfico, Artístico e Cultural de Várzea Grande; Ozil Moraes de Moura – ceramista; Pedro Lino de Morais – Dança, Cururu e Siriri;  Raul Fortunato de Oliveira - Grupo “Os cinco morenos”; Regina Monforta A. Oliveira – artes;  Renata Prado – cantora; Ruth Reveles Pereira – artista plástica; Sonia Mazetto – regente e cantora. Gravou a versão original do Hino de Várzea Grande;   Ubaldo Monteiro – escritor e historiador; Valdirene Maria Mendes - redeira; Valdomiro Martinho Campos Filho – artesão fabrica viola de cocho; Vanessa Oliveira Ramos - cantora; Vitória Basaia Carvalho – artista plástica; Wilma Felfili – ONG Nossa Terra, Nossa Gente.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto