Domingo, 25 de Março de 2012, 08h:33

Tamanho do texto A - A+

Valor de placas de carros vai triplicar em Mato Grosso, denuncia associação

Acordo feito entre Detran, MP, Associação de Proteção ao Condenado e empresas de placas vai reajustar o valor dos equipamentos para carros e motos no Estado e o custo deve repassar aos usuários

Por: ALIANA CAMARGO

 

Mayke Toscano/Hipernotícias

Membros de associação avaliam que Detran vai repassar custos das placas para usuários

Reajuste nas placas para carros e motos será feito pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran/MT). A projeção é de que o aumento pode triplicar já que a o par de placas para carro que era vendido em média por R$ 70,00, poderá custar até R$ 200,00. Os custos devem ser repassados para o usuário. A denúncia é da Associação de Fabricantes de Placas de Veículos (AFPV).

O reajuste será aplicado depois que foi firmado um convênio entre Detran, Ministério Público, AFPV e a Associação de Proteção de Assistência ao Condenado (Apac) de Mato Grosso.

O reajuste do valor final das placas vai aumentar significativamente e isso está incomodando algumas empresas, que de acordo com alguns membros da AFPV, que pedem para não terem os nomes divulgados, deve gerar um possível encerramento das atividades de muitos dos 120 estampadores ativos que empregam atualmente cerca de 500 pessoas em todo o Estado.

O acordo determina que todas as casas de placas de Mato Grosso comprem o material pré-acabado da associação dos presidiários. A empresa Thomas Greg do Brasil ganhou a licitação e vai fornecer os blanks, que são chapas para serem recortadas e depois tem inseridos os adesivos refletidos, depois serão vendidos para os estampadores que fazem a impressão de letras e números.

A projeção de custos das placas vai aumentar significativamente. Segundo o associado das empresas de estamparia, que não quis se identificar, uma placa sem acabamento para moto era comprada no Rio Grande do Sul ou Paraná pelo valor de R$ 8,00. Com o trabalho de estampa o preço ficava no valor de R$ 60,00. Com o atual acordo a placa sem acabamento vai custar para as empresas R$ 40,00 e o valor final ficará em torno de R$ 120,00 o par.

As placas de carro subirão ainda mais, antes era comprada pelo valor de R$ 26,00 e era vendido pelo valor de R$ 70,00. Com a compra do material dos detentos o valor sobe para R$ 70,00 cada placa com custo final para o motorista de R$ 160,00 a R$ 200,00 o par.

Vale ressaltar que as placas serão refletidas, conforme o novo Código de Trânsito determina e terão um código de barras para facilitar o rastreamento. Porém, para os associados da AFPV o custo do código não ultrapassa R$ 2,00. Ele também afirma que o material que será fornecido pela associação dos detentos é bem inferior ao utilizado atualmente.

CASAS DE PLACAS

O presidente da AFPV, Ildonei Lazaretti, explicou sobre o acordo e disse que o projeto é muito bom já que tem um apelo social muito forte, mas considera que não pensaram na dimensão do valor das placas e que isso deve ser revisto por parte do governo.

“Realmente o valor ficou muito acima do esperado, vai ficar muito mais caro. Todo esse valor terá um impacto no caixa e é possível que acarrete em demissões dentro das casas de placas”, disse.

A empresa que vende a placa é uma concessão dada pelo governo, diante disso, Lazaretti não viu alternativa a não ser assinar um acordo, que já é uma tendência em todo o país.

“Existe pontos positivos e negativos deste acordo, mas tive que considerar o acordo como representante de uma categoria e não pelo lado pessoal”, afirmou.

CADASTRO

Na manhã deste sábado (24) a empresa Thomas Greg do Brasil iniciou, no auditório do Detran, o processo de cadastramento das casas de placas e também o treinamento do sistema que será utilizado.

Segundo Marcos Maresch, representante da Thomas Greg, foi colhido o CNPJ das empresas, a inscrição estadual e biometria (polegares e indicadores) de quem vai operar o sistema.

Segundo Maresch a medida é para controlar o pedido, a movimento do estoque do material que vai ser utilizado pelas casas de placas, a medida é para evitar a evasão fiscal.

A intenção do governo é acabar com a concorrência predatória que existe em relação aos fornecedores dos blanks.

OUTRO LADO

A assessoria de imprensa do Detran informa que foi feito um convênio entre a autarquia e a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh). O convênio prevê que reeducandos do sistema prisional do Estado, por meio da Apac e da Fundação Nova Chance, façam a confecção das novas placas dos veículos. De acordo com o diretor de Gestão Sistêmica do Detran, Carlos Santana, esse trabalho tem o respaldo do Ministério Público de Mato Grosso, porque segundo ele, visa o lado social do governo, já que os detentos estarão dentro dos presídios inseridos nesse projeto.

Santana também comentou que essa nova situação permite um controle, por parte do Detran, mais eficiente no que diz respeito a confecção das placas. Segundo o diretor de Gestão Sistêmica, é possível evitar crimes como a evasão de divisas, placas clonadas e carros dublês. Ele alerta que as novas placas terão código de barras e um processo de biometria justamente para identificar e localizar o veículo.

O diretor Carlos Santana disse que todo esse processo também passou por licitação, e que essa situação passará a ter o recolhimento de imposto. Santana finalizou com a informação de que a Associação Nacional de Placas encaminhou e-mail dizendo que o valor cobrado em Mato Grosso ainda é um dos menores do país.

Credito: Mayke Toscano/Hipernoticias
Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto




10 Comentários

Dilto - 23/12/2012

Atenção fabricantes de placas do Mato Grosso , entrem com uma a ação civil pública contra essa portaria do Detran, ela é ilegal, o detran não pode obrigar vocês a comprar blank de um só fornecedor e pelo que sei vocês foram credenciados dentro da lei pelo detran, o detran não tem juridição sobre o Blank e não pode fazer lei quanto a compra/venda, pois enquanto o blank não tem o número da placa, ele é só um produto comercial, gente metam varias ações judicias contra esse pessoal, eles os credenciaram para fazerem uma atividade e agora vivem ameaçando de tirarem os seus negócios o qual vocês se dedicaram. lembrem-se o detran, não pode tiram o pão de muitos para enriquecer uns poucos, vocês tem seus direitos.

Dilto - 21/12/2012

Considerações sobre código de barras O que é? É uma representação gráfica de dados numéricos ou alfanuméricos. A decodificação (leitura) dos dados é realizada por um tipo de scanner - o leitor de código de barras. Para que serve? Os dados capturados nessa leitura óptica são compreendidos pelo computador, que por sua vez converte-os em letras ou números humano-legíveis. Ou seja, codificar um número na placa do veículo para depois decodificá-la, sendo que já está decodificada bem legível para quem possa ler. (credencial do fabricante data de fabricação, dianteira ou traseira...) Porque nas placas não se aplicam? Porque a placa já possui itens rastreáveis como: 1. Credencial do fabricante, na placa, na tarjeta e no lacre; 2. O próprio número da placa que é único e auto-identificável; 3. Sistema informatizado junto ao DETRAN que na hora do emplacamento, já sabem quem fabricou e colocou a placa no momento exato da operação. A placa na verdade é um “código de barras explícito” que tem como objetivo identificar os veículos à distância e o DETRAN possui todas as ferramentas necessárias para identificar quem a fabricou, quem a colocou no veículo e a que veículo pertence, pois está associada a um número de chassi do veículo e tudo isso está no banco de dados do DETRAN. Seria um pleonasmo, uma redundância colocar código de barras em um produto que é somente números, seria como colocar número para identificar o número. A definição do código de barras é transformar números em barrinhas, o que facilita sua leitura através de um leitor a laser, isso na indústria é útil, pois agregam características do produto em um computador, características essas que no caso de uma placa de veículo já estão nos cadastros do DETRAN. 1. Porque surgiu o código de barra e qual a sua aplicação? R. O código de barras surgiu nos Estados Unidos, em 1970, com o intuito de diminuir as filas e o processo de pagamento ficasse mais rápido. As barras foram criadas para que fosse possível o computador ler, se o computador lesse números não existiria código de barras. Hoje já existem equipamentos que conseguem ler o número das placas e identificar os dados que estão no computador com eles associados. Será que quem inventou a colocação do código de barras nas placas não estava fora da casinha? Pelo que consta e os policiais sabem disso são os veículos que são falsificados e não as placas dos veículos. É muito mais fácil alguma gráfica especializada falsificar dinheiro do que um indivíduo falsificar uma placa de automóvel está ouvindo falar que no futuro as placas possuirão selos de segurança, esses selos só interessa aos fabricantes de selos ou fabricantes de placas multinacionais, pois consegue computar seus lucros através dos selos fabricados, essa de colocar selo de segurança em placa não tem qualquer interesse publico. Mesmo a placa tendo selo de segurança, veículos dublês existirão da mesma forma, porque não é a placa que é falsificada. SDS

Dilto Rabello - 21/12/2012

Tremenda covardia oque estão fazendo com o povo nativo e trabalhador do Mato Grosso, colocaram intermediários no negocio de placas de veículos, que não fazem merda nenhuma, ficam com todo o lucro e ainda mandam dinheiro dos proprietários de automóveis do Mato grosso para o exterior e os fabricantes de placas se tornam escravos dessas multinacionais, até quando vamos aceitar esse tipo de coisa.

Benjamin Lazzaretti - 22/05/2012

A eleições estão ai,vamos mandar nossos políticos pedirem votos para os detentos e pra esse bando de picaretas da Thomas...

- 26/03/2012

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário

zafah - 26/03/2012

Estado Faz acordo para Beneficiar a empresa Thomas em detrimento a mais de 100 empresários do ramo de placas automotivas de Mato Grosso. Estou realmente muito triste e indignado em relação esta matéria sobre o esquema montado para produção de placas em mato grosso. Vejam bem, nada contra o projeto de cunho social, de se construir uma indústria de placas dentro do presidio, a discursão não é esta senhores da imprensa e autoridades de Mato Grosso. O projeto social que tanto falam, veio apenas como uma cortina para tapear o forte esquema que ha por traz de tudo isto. Vejam só os senhoras/senhoras e a quem possa interessar. DETRAN de Mato Grosso, Associação dos Detentos, empresa Thomas e membros da diretoria dos fabricantes de placas automotivas, fizeram um pacote e aprovaram tudo, sabe Deus como, e só depois comunicaram a nos associados ou fabricantes de placas automotivas de Mato Grosso. O que choca e causa descontentamento a maioria dos empresários deste ramo, é a forma ant democrática de fazer valer este acordo, Acertaram entre se o preço, e já está tabelado para fornecer a nós estampadores de placas. Ou seja, o par de placas será vendido para nos fabricantes, no valor de 70,00 reais e a placa de moto no valor de 40,00 reais, o que está muito acima do valor praticado no mercado atual, e diga se de passagem, com uma película muito inferior a que se compra no mercado e se repassa aos nossos clientes, sem falar da alta burocracia para comprar e vender este material. Depois vem a Portaria do DETRAN-MT, totalmente autoritária, trazendo de volta a lei da mordaça das obrigações forçadas como acontecia na ditadura militar, coisa que não queremos nem mesmo recordar. Cuja portaria diz que nós os empresários fabricantes de placas e tarjas automotivas, só poderemos comprar placas desta empresa, cuja empresa, só tem um tipo de Película a 3m, para oferecer e esta é bem inferior a Prisplak da Every a qual trabalhamos. Onde está a lei de livre concorrência de mercado? Nota se que neste quesito, há um forte esquema financeiro por traz disto, envolvendo a fornecedora deste tipo de película, a empresa Thomas/DETRAN/ Associações. Pela lógica está empresa teria que ter vários tipos de película para oferecer, e teria que praticar a política da livre concorrência, oferecendo bons preços e qualidade e, caberia a nós comprar dela ou não, dependendo do seu preço e do seu produto. Isto seria uma forma democrática e que certamente agradaria a todos. É ai, gostaria de deixar bem claro, que eu como fabricante, teria como opção, comprar dentro do meu estado, desde que houvesse uma politica de preços compatíveis com o mercado, medidas que possam convencer o consumidor e não obrigar o cidadão a este fim. Neste momento é imprescindível que se diga a verdade, compramos material para estampagem das placas para carros e motocicletas, ofertadas por varias empresas no Brasil, com película de ótima qualidade, ou seja, com a melhor película existente no mercado, com preços muito inferiores ao oferecido pela empresa Thomas. É importante notar, que temos opção de prazos para pagar em até quatro vezes. Assim Deixo aqui o meu reclame, de um brasileiro, parceiro do DETRAN-MT, insatisfeito com esta medida autoritária, que está prejudicando nossas atividades comerciais e trazendo grande constrangimento para a maioria dos empresários do ramo. Faço aqui um apelo à impressa, para que nos ajude, denunciando esta manobra milionária, que nos ajude a investigar esta Portaria que vem aterrorizando e ameaçando a todos nós. Quero aqui também pedir socorro a Ordem dos Advogados de Mato Grosso e A Defensoria Pública, a fim de investigar estes três pilares deste pacote. Primeiro, o ponto que diz; que seremos obrigados a comprar placas somente da empresa Thomas, segundo, o ponto acordado sobre o valor apresentado. Terceiro. O material que será vendido por ela, sem opção de escolha, comparando-se a outros ofertados no mercado por preço bem abaixo e qualidade superior. É muito importante poder contar com o apoio da impressa escrita, falada, das autoridades constituídas, OAB, Defensoria Pública e representante da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A fim de investigar o teor desta Portaria e do acordo firmado entre as partes, Pois quando alguém fala em denunciar é ameaçado, com a suspensão do credenciamento, Dizendo que se isto acontecer o governo vai licitar uma empresa para fabricar placas e todos nós seremos descredenciados. Ameaças e autoritarismo, assim querem trazer de volta um passado de opressão, uma atitude que envergonha a todos nos brasileiros e brasileiros. O que queremos é liberdade para continuar trabalhando e gerando emprego e renda, precisamos ser respeitados em nossos direitos, como cidadãos e, empresário que somos amigos e parceiros do DETRAN-MT. Que Deus nos ajude na luta contra o terror, a opressão, a tirania, o desmando, autoritarismo, e da lei da mordaça, e da lei do silencio. zafah

jose a silva - 26/03/2012

Façam igual a mim. Emplaquem em Goiás. Fica 70% mais barato. Mato Grosso é um Estado (Vetado)..

Josafá Vieira de Araujo - 26/03/2012

Estado Faz acordo para Beneficiar a empresa Thomas em detrimento a mais de 100 empresários do ramo de placas automotivas de Mato Grosso. Estou realmente muito triste e indignado em relação esta matéria sobre o esquema montado para produção de placas em mato grosso. Vejam bem, nada contra o projeto de cunho social, de se construir uma indústria de placas dentro do presidio, a discursão não é esta senhores da imprensa e autoridades de Mato Grosso. O projeto social que tanto falam, veio apenas como uma cortina para tapear o forte esquema que ha por traz de tudo isto. Vejam só os senhoras/senhoras e a quem possa interessar. DETRAN de Mato Grosso, Associação dos Detentos, empresa Thomas e membros da diretoria dos fabricantes de placas automotivas, fizeram um pacote e aprovaram tudo, sabe Deus como, e só depois comunicaram a nos associados ou fabricantes de placas automotivas de Mato Grosso. O que choca e causa descontentamento a maioria dos empresários deste ramo, é a forma ant democrática de fazer valer este acordo, Acertaram entre se o preço, e já está tabelado para fornecer a nós estampadores de placas. Ou seja, o par de placas será vendido para nos fabricantes, no valor de 70,00 reais e a placa de moto no valor de 40,00 reais, o que está muito acima do valor praticado no mercado atual, e diga se de passagem, com uma película muito inferior a que se compra no mercado e se repassa aos nossos clientes, sem falar da alta burocracia para comprar e vender este material. Depois vem a Portaria do DETRAN-MT, totalmente autoritária, trazendo de volta a lei da mordaça das obrigações forçadas como acontecia na ditadura militar, coisa que não queremos nem mesmo recordar. Cuja portaria diz que nós os empresários fabricantes de placas e tarjas automotivas, só poderemos comprar placas desta empresa, cuja empresa, só tem um tipo de Película a 3m, para oferecer e esta é bem inferior a Prisplak da Every a qual trabalhamos. Onde está a lei de livre concorrência de mercado? Nota se que neste quesito, há um forte esquema financeiro por traz disto, envolvendo a fornecedora deste tipo de película, a empresa Thomas/DETRAN/ Associações. Pela lógica está empresa teria que ter vários tipos de película para oferecer, e teria que praticar a política da livre concorrência, oferecendo bons preços e qualidade e, caberia a nós comprar dela ou não, dependendo do seu preço e do seu produto. Isto seria uma forma democrática e que certamente agradaria a todos. É ai, gostaria de deixar bem claro, que eu como fabricante, teria como opção, comprar dentro do meu estado, desde que houvesse uma politica de preços compatíveis com o mercado, medidas que possam convencer o consumidor e não obrigar o cidadão a este fim. Neste momento é imprescindível que se diga a verdade, compramos material para estampagem das placas para carros e motocicletas, ofertadas por varias empresas no Brasil, com película de ótima qualidade, ou seja, com a melhor película existente no mercado, com preços muito inferior ao oferecido pela empresa Thomas. É importante notar, que temos opção de prazos para pagar em até quatro vezes. Assim Deixo aqui o meu reclame, de um brasileiro, parceiro do DETRAN-MT, insatisfeito com esta medida autoritária, que está prejudicando nossas atividades comerciais e trazendo grande constrangimento para a maioria dos empresários do ramo. Faço aqui um apelo à impressa, para que nos ajude, denunciando esta manobra milionária, que nos ajude a investigar esta Portaria que vem aterrorizando e ameaçando a todos nós. Quero aqui também pedir socorro a Ordem dos Advogados de Mato Grosso e A Defensoria Pública, a fim de investigar estes três pilares deste pacote. Primeiro, o ponto que diz; que seremos obrigados a comprar placas somente da empresa Thomas, segundo, o ponto acordado sobre o valor apresentado. Terceiro. O material que será vendido por ela, sem opção de escolha, comparando-se a outros ofertados no mercado por preço bem abaixo e qualidade superior. É muito importante poder contar com o apoio da impressa escrita, falada, das autoridades constituídas, OAB, Defensoria Pública e representante da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A fim de investigar o teor desta Portaria e do acordo firmado entre as partes, Pois quando alguém fala em denunciar é ameaçado, com a suspensão do credenciamento, Dizendo que se isto acontecer o governo vai licitar uma empresa para fabricar placas e todos nós seremos descredenciados. Ameaças e autoritarismo, assim querem trazer de volta um passado de opressão, uma atitude que envergonha a todos nos brasileiros e brasileiros. O que queremos é liberdade para continuar trabalhando e gerando emprego e renda, precisamos ser respeitados em nossos direitos, como cidadãos e, empresário que somos amigos e parceiros do DETRAN-MT. Que Deus nos ajude na luta contra o terror, a opressão, a tirania, o desmando, autoritarismo, e da lei da mordaça, e da lei do silencio.

vergonha de morar em mato grosso - 26/03/2012

Ola bom dia,gente quanta vergonha estou sentindo por morar em em mato grosso,quanta roubalheira,socorro meu Deus... Quando o departamento estadual de transito de mato grosso vai parar de (vetado) de nos usuario?quando? cade o ministerio publico do estado para interver ao favor do povo sofrido que leva o estado nas costa com tanto imposto; hhehehe sinval o buraco que o blairo deixou foi grande pra vc tampar né? quanto vc ta (vetado) pra dar val a uma impresa que nunca fabricou blak em sua atividade,que ate onde eu sei essa impresa ja mama na teta do estado a nossas custa vendendo carteiras de abilitaçoes e niguem ganha licitaçoes deles porque sera Dóia ahmm agora estao estao querendo implanta mais esses sistema e nos clinete fica onde ? quem vai nos defender ?abisurdo isso fica a dica esse pregao ou licitaço feita nao passou de um combinado entre eles e tem gente mordendo por traz disso pra aprovar esse projeto que nao passa de uma fantasia de alto custo e que nos iremos pagar,e bancar regalias de de tubaroes e de cancer como esse Detran de mato grosso socoroOoOOoOoOOooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo Meus Deus

Dr.T - 25/03/2012

Meu Deus do céu, de novo o DETRAN metendo a mão??? Cade a auditoria do estado pelo amor de Deus que não audita esse DETRAN??? Silval deixe os auditores fazerem um pente fino no DETRAN. Segue algumas dicas: a empresa Thomas Greg detem há anos o monopólio de impressão de CNH e sistema de prova eletronica, o contrato é renovado todo semestre e rende milhoes a empresa, a empresa FDL vem nadando de braçada ganhando rios de dinheiro sem fazer esforço algum, já que o "serviço" que fazem poderia facilmente ser adaptado ao sistema do DETRAN. (e eles ainda utilizam a luz e espaço do detran, somos mesmo palhaços). A licitação desse novo sistema passou na surdina, só colegas participaram. População chega de bancar esse detran, vamos exigir que a auditoria se pronuncie e caso eles tbm sejam coniventes vamos acionar as midias nacionais. Tomara que um dia o fantastico atenda meus apelos nos emails e venha verificar essa mafia que existe a anos no DETRAN.

INíCIO
ANTERIOR
1 de 1
PRÓXIMA
ÚLTIMA